Feeds:
Posts
Comentários

Um video do portifólio que ainda não tinha aparecido por aqui.

Nunca me dei muito bem com o assunto religião. Acho que o fato de ter crescido em uma das mais confusas doutrinas de todas (a tradição cristã ocidental) pode ser uma das causas disso. “Como assim você não acredita em Deus?” é uma pergunta freqüente. Uma boa resposta seria “De qual deus você tá falando? Buda? Poisedon? Shiva? Alá? Jeová? Brahma (que deve ser um deus muito legal)?” “Deus, Deus. O único Deus que existe.” Único segundo a tradição cristã ocidental. Mas essa mesma tradição nos fala que os Deuses são 3. O Pai, o Filho e o Espírito Santo. Aí já começa a confundir tudo.

Talvez a coisa funcione assim: “Pai”, “Filho”, “Espírito Santo”; pela união dos seus poderes, eu sou o Capitão Planeta!

Talvez não.

A parte do Pai e do Filho dá pra entender. O filho seria Cristo, que dá nome há religião (cristianismo). Já que há um filho. Tem que haver um pai. Mas qual que é a do Espírito Santo? Ele é aquela pombinha carregando um raminho no bico. Ou esse seria a paz? Me confundo com isso também.

Um dos primeiros posts que escrevi nesse blog foi o “Qual que é a do Hidrogênio?”. O Hidrogênio não é um metal, não é um não-metal e também não é um semi-metal. Mas sabemos que ele existe. Ele é um elemento químico que existe em vários lugares, inclusive no núcleo das estrelas.

Uma estrela possui sempre muita massa, sua gravidade a comprime, criando enormes pressões (e consequentemente muito calor) no seu interior, o que produz a fusão nuclear, unindo os núcleos de átomos mais leves para formar átomos mais pesados, esse processo ocorre principalmente na fusão do Hidrogênio para gerar Hélio. Tanto mais massa a estrela possui, mais capacidade ela tem de gerar átomos mais pesados pela fusão nuclear.

Muitas pessoas acreditam que assim surgiram os principais elementos do universo.

Com o Espírito Santo também acontece mais ou menos assim. Não é o Pai, não é o Filho, e muitas pessoas acreditam que ele criou a maioria dos elementos do universo.

Não sei se esses elementos criados pelo Espírito Santo foram espalhados pelo universo através de explosões gigantesacas ou por poderes sobrenaturais. Mas acho que,  caso ele realmente exista, o Espírito Santo só pode ser feito de Hidrogênio.

Neste domingo, meu amigo Luciano (Xuxa) falou comigo de um curta no youtube que conta a história da música Maxwell’s Silver Hammer, dos beatles. Achei a idéia divertida e resolvi postar o curta aqui.

A música, escrita por Paul McCartney, conta a história de um jovem com tendências homicidas. É uma das minhas canções preferidas dos beatles. Daquele  tipo de música que ou você gosta ou você odeia. Conforme entrevistas posteriores, John Lennon declarou que a odiava.

FICHA TÉCNICA:

Paul McCartney vocal principal, vocalização, overdubb de guitarrapianoJohn Lennon não estava presente. George Harrison vocalização, baixoguitarrasintetizador MoogRingo Starr vocalização, bateriabigorna (o som do “martelo prata de Maxwell”). George Martin participa tocando órgão Hammond.

Aí vai a música em uma animação divertidíssima:


Maxwell’s Silver Hammer

Joan was quizzical, studied pataphysical
Science in the home
Late nights all alone with her a test tube
Oh, oh, oh, oh
Maxwell Edison, majoring in medicine
Calls her on the phone
“Can I take you out to the pictures Jo-o-o-oan?”
But as she’s getting ready to go
A knock comes on the door

Bang! Bang! Maxwell’s silver hammer
came down upon her head
Clang! Clang! Maxwell’s silver hammer
made sure that she was dead

Back in school again Maxwell plays the fool again
Teacher gets annoyed
Wishing to avoid and unpleasant scene-e-e-ene
She tells Max to stay when the class has gone away
So he waits behind
Writing fifty times “I must not be so-o-o-o
But when she turns her back on the boy
He creeps up from behind

Bang! Bang! Maxwell’s silver hammer
came down upon her head
Clang! Clang! Maxwell’s silver hammer
made sure that she was dead

P.C. thirty one said “we’ve caught a dirty one”
Maxwell stands alone
Painting testimonial pictures, oh, oh, oh, oh
Rose and Valerie screaming from the gallery
Say he must go free
The judge does not agree, and he tells them so-o-o-o
But, as the words are leaving his lips
A noise comes form behind

Bang! Bang! Maxwell’s silver hammer
came down upon her head
Clang! Clang! Maxwell’s silver hammer
made sure that he was dead
Silver hammer man

Marcella the Post Modern é um projeto experimental inspirado na musica instrumental e na dança contemporânea. Tem como proposta de trabalho a improvisação. A intenção não é buscar um enquadramento, mas sim a liberdade de criação momentânea, espontânea. Marcella é uma criança que age pelo instinto do prazer , não busca explicar o mundo e sim senti-lo.

Poema Binário

0100111001110101011011010110000100100000011011010110000101101110011010000110000100111011001011000010000
001100001011011110010000001100100011001010111001101110000011001010111001001110100011000010111001000100
0000110010001100101001000000111001101101111011011100110100001101111011100110010000001101001011011100111
00010111010101101001011001010111010001100001011011100111010001100101011100110010110000100000010001100
111001001100001011011100110001101101001011100110010000001000011011000010110110101110000011001010110110
00110111100100000011001000110010101110101001000000111000001101111011100100010000001110011011010010010
0000011011100110000100100000011000110110000101101101011000010010000001110100011100100110000101101110
0111001101100110011011110111001001101101011000010110010001101111001000000110111001110101011011010110000
100100000011011010110000101110001011101010110100101101110011000010010111000100000010001010111001101110
1000110000101110110011000010010000001100100011001010110100101110100011000010110010001101111001000000
1110011011011110110001001110010011001010010000001101111001000000110010001101111011100100111001101101111
00101100001000000111010001100001011011110010000001100100011101010111001001101111001000000111000101110
1010110010100100000011100000110000101110010011001010110001101101001011000010010000001110010011001010
111011001100101011100110111010001101001011001000110111100100000011001000110010100100000011011010110010
1011101000110000101101100001011000010000001100101001011000010000001100001011011110010000001101100011
001010111011001100001011011100111010001100001011100100010000001110101011011010010000001110000011011110
11101010110001101101111001000000110111100100000011011010110111101101110011010010111010001101111011100100
01011000010000001100100011010010111011001101001011100110110111101110101001000000110111100100000011000
010111001001110010011001010110010001101111011011100110010001100001011001000110111100100000011101000110
01010110001101101100011000010110010001101111001000000110010101101101001000000110010001110101011100100
11011110111001100100000011100110110010101100111011011010110010101101110011101000110111101110011001000000
1100001011100100111000101110101011001010110000101100100011011110111001100101100001000000111001101101111
0110001001110010011001010010000001101111001000000111000101110101011000010110110000100000011000010010
00000110001101101111011011000110001101101000011000010010000001100100011010010110011001101001011000110
1101001011011000110110101100101011011100111010001100101001000000110110101100001011011100111010001101001
01101110011010000110000100100000011000010010000001110000011011110111001101101001011000110110000101101
1110010000001100101001000000110010101110011011101000110000101110110011000010010000001100001001000000
1110000011011110110111001110100011011110010000001100100011001010010000001100101011100110110001101101111
01110010011100100110010101100111011000010111001000101110

Um dos meus passatempos preferidos é conhecer bandas novas, e vem desse passatempo um dos meus programas preferidos de balada. Ir em shows de bandas independentes. Em um desses shows, há dois anos atrás, conheci uma banda que hoje, com certeza, está entre minhas 3 preferidas. O Graveola e o Lixo Polifônico. É uma banda de Belo Horizonte, com um som experimental, que tem fortes flertes com a Musica Latina, o POP e a MPB. Apesar das suas músicas serem bem diferentes uma da outra, é possível ver uma forte coerência estética entre elas. Vale a pena conferir um show, mesmo sem conhecê-las previamente.

Deixa de bobeira, menina,
Nosso tempo acabou,
não fique aí pensando baboseira,
que aqui a vida é bem maior

Leve meu sorriso na memória,
deixe a saudade pra depois,
e ao reiventar a nossa história,
finja que amanhã eu vou chegar

Seja criativa, aproveite,
experimente um novo amor,
saia de si mesma,
reconheça o seu valor

versos e desejo desvelados,
outros devaneios descuidados,
tantas aventuras em silêncio
acontecerão, você vai ver

versos e desejos revelados,
coisas do presente num passado,
e ao reiventar o nosso acaso,
finja que viver é bem melhor

Four more lists

Final de ano é epoca de listas. Já escrevi sobre listas logo que criei o blog, seria uma boa forma de retomá-lo fazendo listinhas das coisas que marcaram 2010.

5 Melhores Shows que fui:

5º – Graveola e o Lixo Polifônico – Anfiteatro do Casarão – 04/09

4º – Canastra – Music Hall – 29/05

3º – Fusile – Praça da Estação – 18/09

2º – Móveis Coloniais de Acaju – Music Hall – 10/04

1º – Paul McCartney – Morumbi – 21/11

FUSILE - Foto: Tiago de Caux (www.festivaltransborda.com.br)

Melhores filmes que vi*

*Filmes que vi em 2010, não necessariamente lançados nesse ano.

5º – Tropa de Elite 2

4º O Pequeno Nicolau

3º – O Anticristo

2º – Alice no país das maravilhas

1º – O segredo dos seus olhos

Melhores jogos do América

5º –  América 2 x 1 Brasiliense (Arena do Jacaré)

4º – América 4 x 0 Ipatinga (Arena do Jacaré)

3º – Figueirense 0 x 1 América (Orlando Scarpelli)

2º – América 2 x 1 Sport (Arena do Jacaré)

1º – Ponte Preta 0x0 América (Moisés Lucatelli)

Melhores EPs

5º – Peixoto e Maxado – I wanna Shoyu

4º – Fusile – The coconut Revolution

3º – Sueteres – Rua Caetés

2º – Porcas Borboletas – A Passeio

1º – Graveola e o Lixo Polifônico – Um e Meio